Maracajá

Ameaçado

 

NOME COMUM: Maracajá 
NOME EM INGLÊS: Margay 
NOME EM ESPANHOL: Gato Margay
NOME CIENTÍFICO:
Felis wiedii
FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae
CARACTERÍSTICAS:
Comprimento: 60 cm, mais 40 de cauda
A fêmea é menor que o macho. 
Peso: Alcança entre 3 a 5 kg 
Ocorrência Geográfica: Em todos os estados brasileiros 
Categoria/Critério: Espécie ameaçada pela destruição de habitat caça ilegal, área de distribuição restrita, populações pequenas. 
Descrição: Dorso amarelo-queimado e acinzentado na cabeça. Linhas e manchas arredondadas e listras negras distribuídas pelo corpo. Anéis completos na metade final da cauda. Alto da cabeça e lados da cara amarelados. Possui manchas brancas sob os olhos e na parte externa das orelhas. Orelhas redondas. Olhos muito grandes. 
Hábitos: Sobe com facilidade em árvores e é a única espécie que desce com a cabeça para baixo como os esquilos. Espécie primordialmente noturna, terrestre e arbórea, solitária.
Alimentação: Alimentam-se de pequenos mamíferos, aves e répteis. Ocorre em matas pouco perturbadas em todo território nacional, exceto região Nordeste. 

O maracajá ou gato-do-mato é um verdadeiro acrobata, capaz de trepar nas árvores com grande agilidade e rapidez. Essas acrobacias são facilitadas pela conformação especial de suas patas: os pés podem girar 180º sobre si mesmo, o que permite ao Maracajá descer dos troncos com a cabeça voltada para baixo, enquanto os seus semelhantes são obrigados a se deixar deslizar, com a cabeça para o alto, arranhando a casca da árvore. Ele consegue também jogar-se no ar e se agarrar a um, galho com uma das patas.

O maracajás estão espalhados por todas as florestas tropicais da América Central e América do Sul. São encontrados também na costa do Pacífico. Como a jaguatirica (Felis pardalis), eles têm malhas (ocelos) alongadas. Mas são menores e seu corpo bem mais esguio. Pouco se sabe a respeito da vida do maracajá em liberdade. Ele se alimenta de pequenos roedores e principalmente de aves.

 

Publicado por Bruno Moreira às 22:38 | link do post | comentar